Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

 


Na Sexta-feira fomos a uma visita do estudo muito bonita. A senhora professora disse para trazermos 5 euros para pagar a camioneta. A minha mãe disse-me que pagasse com os 5 euros que o meu padrinho me deu pelo Natal que isto não era a casa da mãe Joana mas eu já tinha comprado alpista para o meu pintassilgo e só tinha 2 euros e meio e foi a minha avó que me deu o resto. O Firmino não trouxe porque o pai não o deixou ir que é gastar dinheiro que custa a ganhar. A senhora professora até disse que dava jeito que a camioneta só levava 30 cachopos e o Firmino era o 31. O Firmino ficou na escola porque a mãe não o tinha onde deixar que trabalha todo o dia e disse que o Firmino até podia ajudar a D. Adélia que vai limpar os quadros e varrer o chão mas o Firmino ficou sentado no banco do recreio e não fez nada. A camioneta era velha tinha buracos e duas janelas que não fechavam mas nós cantamos atirei como o pau ao gato e a tia Anica do Loulé com muita força para aquecermos que aquilo que aquece e se chama crofragem faz enjoar a senhora professora e por isso o homem desligou. Quando chegamos à visita do estudo havia uma senhora com o cabelo da cor do trigo muito bem penteado para trás e a brilhar muito velha para aí com mais de trinta anos mas muito bonita e muito bem vestida que eu nunca vi assim uma roupa a cheirar tão bem que até parecia que estava vestida de coisas boas que fazem lembrar quando a gente está a dormir e a chover no telhado e nós não temos frio. A senhora era muito rica mas mesmo assim até se riu para nós e mandou chamar uma rapariga para nos mostrar os jardins que eram a visita do estudo. Havia um jardim româncico que é um jardim onde os senhores inteligentes escrevem os livros mas que parecia um jardim normal mas com o cabelo despenteado. Já o cabelo do jardim do fundo lá atrás da casa era de um jardim que leva muto tempo a escovar porque era um jardim com corredores e paredes muito altas onde a gente se pode perder. A Liliana até enjoou de tantas voltas que deu lá dentro. A senhora com o cabelo doirado e olhos muito clarinhos apareceu depois e mandou-nos ir para a cozinha que era tão grande que o meu quarto cabia num canto e mesmo assim até podíamos calcá-lo porque não o víamos. Sentamo-nos numa mesa e deram-nos leite achocolatado e gruassantes que são pães do rei de França com queijo e fiambre que eu nunca tinha comido e me soube pela vida. Depois veio à porta para nos dizer adeus. Quando chegamos da visita do estudo eu fui ter com o Firmino que estava sentado no banco do recreio para lhe dar o gruassante que tinha escondido nas calções e que era para ele. Tive um bocadinho de medo porque o Firmino às vezes é muito mau e bate-nos mas ele comeu o gruassante que tinha dentro fiambre e queijo e até olhou para mim e disse obrigado. Fiquei muito espantado porque nunca tinha visto que o Firmino tem a cor dos olhos da senhora que vi na visita do estudo. São da cor do céu clarinho mas a gente não dá conta porque quando olha para o Firmino fica sempre de noite. Eu gostei muito da visita do estudo.      

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gaffe



2 coisas escritas

De Magda L Pais a 13.02.2017 às 11:28

Meu Deus. Sou mesmo um dinossauro. Se a senhora com 30 anos era muito velha, Imagino eu com 47...

Escrever uma coisinha